Aprender e Ensinar Geometria Remotamente: Enfrentamentos Didáticos de Professores dos Anos Iniciais em Tempo de Pandemia

Autores

  • Jacqueline Borges de Paula Universidade Federal de Mato Grosso
  • Deise Rôos Universidade Federal de Mato Grosso
  • Rute Cristina domingos da palma Universidade Federal de Mato Grosso
  • Daniela Maria Almeida de Lima Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.37001/ripem.v12i3.3031

Palavras-chave:

Ensino Remoto. Geometria. Formação Continuada. Intervenção Didática.

Resumo

Apresentamos, neste artigo, resultados de uma pesquisa que investigou, do ponto de vista dos professores dos Anos Iniciais, os enfrentamentos formativos e didáticos em Geometria e a organização de intervenção com seus alunos remotamente. A pesquisa aconteceu a partir da ação de formação continuada remota intitulada “A Geometria na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental”. O objetivo da pesquisa foi analisar e refletir sobre o processo de aprendizagem e ensino da Geometria no cenário especificamente delineado pelo Ensino Remoto, buscando evidenciar os enfrentamentos destacados e entender como educadores e educandos (re)agiram no processo de apropriação dessa “nova” ambiência e cenário educativo. Apoiamo-nos numa metodologia investigativa qualitativa, de cunho interpretativo. Os textos de campo para análise são constituídos de narrativas orais (N.O.) e escritas (Relatos de Experiencias – R.E.) produzidas no decorrer dos encontros formativos e da entrevista narrativa (E.N.). Em relação ao processo de formação continuada, os professores cursistas revelaram que a relevância esteve situada no estabelecimento de uma estreita associação entre reflexões teóricas e busca por soluções de problemas de modo coletivo e colaborativo. No processo de desenvolvimento das atividades de Geometria de modo remoto, os professores relatam a necessidade de construir novas aprendizagens para lidar com as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação – TDIC e que se somam a esse aspecto, as dificuldades de acessibilidade e escassez de aparato tecnológico das famílias dos educandos.

Referências

Borges, M. M. de A. (2009). Geometria nos anos iniciais do Ensino Fundamental: novas perspectivas. In: XXV CONADE – UFG, Goiás, Brasil.

Bulos, A. M. M. (2011). O Ensino da Geometria nos anos iniciais do Ensino Fundamental. In: XIII CIAEM – IACME, Recife, Brasil.

Coll, C., & Monereo, C. (2010). Educação e Aprendizagem no século XXI: novas ferramentas, novos cenários, novas finalidades. In.: Coll, C., & Monereo, C. (org.). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 15-46.

D’Antonio, S., & Pavanello, R. (2020). A Formação Geométrica em um Curso de Licenciatura para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental a Distância da UEM. Revista Paranaense De Educação Matemática, 2(3), 134-157.

Dante, L. R. (1988). Criatividade e Resolução de problemas na Prática Educativa Matemática. Tese (Livre-docência) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista, UNESP, Rio Claro.

Day, C. (2001). Desenvolvimento profissional de professores. Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Diniz-Pereira, J. E. (2019). Desenvolvimento profissional docente: um conceito em disputa. In: Imbernón, F., Neto, A. S., & Fortunato, I. (org.). (2019). Formação permanente de professores: experiências ibero-americanas. São Paulo: Edições Hipótese.

Gatti, B. A., & Barretto, E. S. de S. (2009). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO.

Ghedin, E. (2002). Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: Pimenta, S. G., & Ghedin, E. (Org.). (2002). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez Editora.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Tradução Juliana dos Santos Padilha. Porto Alegre: Artmed.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2022). Inep divulga Education at a Glance da OCDE. Retrieved January 14, 2022, from https://www.gov.br/inep/pt-br/assuntos/noticias/acoes-internacionais/inep-divulga-education-at-a-glance-da-ocde.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2002). Entrevista Narrativa. In: Bauer, M. W.; Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. Tradução: Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes.

Lorenzato, S. (1995). Por que não ensinar Geometria. Educação em Revista – Sociedade Brasileira Matemática – SBM, ano 3, p. 4-13.

Marques, M. da R. P. P., Carvalho, S. de T. R., & Esquincalha, A. da C. (2021). Impactos da Pandemia de COVID-19 na Rotina Profissional de Professores que Ensinam Matemática: Alguns Aspectos de Precarização do Trabalho Docente. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 11(3), 19-40.

Mello, R. R., Braga, F. M. & Gabassa, V. (2012). Comunidades de Aprendizagem: outra escola é possível. São Carlos, EDUFSCar.

Mikuska, M. I. S. (2011). Uma análise do ensino de Geometria no curso de formação de docentes do Ensino Fundamental. Anais do X Congresso Nacional de Educação, EDUCERE e I Seminário Internacional de Representações Sociais, SIRSSE. Curitiba: Editora Universitária Champagnat, v.1, p. 6951-6963.

Morelatti, M. R. M., & Souza, L. H. G. de. (2006). Aprendizagem de conceitos geométricos pelo futuro professor das séries iniciais do Ensino Fundamental e as novas tecnologias. Educar. Curitiba, n.28, p.263-275, Editora UFTPR.

Nóvoa, A. & Alvim, Y. C. (2021). Os professores depois da pandemia. Educação e Sociedade. Campinas, v. 42.

Palma, R. C. D. da, & Moura, A. R. L. de. (2013). Formação inicial de professores e a produção de sentidos sobre o aprender e ensinar matemática. Revista de Educação Pública, [S. l.], v. 21, n. 47, p. 639-659, 2013.

Pavanello, R. N. (1989). O abandono do ensino da Geometria: uma visão histórica. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Pavanello, R. N. (1993). O abandono do ensino da geometria no Brasil: causas e consequências. Revista Zetetiké, ano1, n.1, p. 7-17. UNICAMP.

Perez, G. (1991). Pressupostos e reflexões teóricos e metodológicos da pesquisa participante no ensino de geometria para as camadas populares. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Rondini, C. A., Pedro, K. M., & Duarte, C. dos S. (2020). Pandemia do COVID-19 e o ensino remoto emergencial: mudanças na práxis docente. Interfaces Científicas - Educação, 10(1), 41-57.

Thadei, J. (2018). Mediação e educação na atualidade: um diálogo com formadores de professores. In.: Bacich, L; Moran, J. (org.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 90-105.

UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância. (2022). Cenário da exclusão escolar no Brasil: um alerta sobre os impactos da pandemia da Covid-19 na educação. Retrieved January 14, 2022, from https://www.unicef.org/brazil/relatorios/cenario-da-exclusao-escolar-no-brasil.

Publicado

2022-05-20

Como Citar

Borges de Paula, J., Rôos, D., domingos da palma, R. C., & Almeida de Lima, D. M. . (2022). Aprender e Ensinar Geometria Remotamente: Enfrentamentos Didáticos de Professores dos Anos Iniciais em Tempo de Pandemia. Revista Internacional De Pesquisa Em Educação Matemática, 12(3), 55-72. https://doi.org/10.37001/ripem.v12i3.3031